fbpx

O que todo iniciante em concursos deveria saber

menina estudando

Existem algumas coisas que todo iniciante em concursos deveria saber antes de dar início aos seus estudos para concursos.

E não, não estamos falando de técnicas de estudo e de organização, e sim de detalhes que quase ninguém conta!

Trata-se daqueles ensinamentos e experiências que só vivendo pra aprender.

Mas nós, do Mapa, estamos aqui para te adiantar alguns deles.

E aí, pronto para algumas revelações?

 

O que todo iniciante em concursos deveria saber

É normal começar a estudar para concursos e se sentir perdido com tanta informação.

Ou, ainda, achar que a matemática é simples e que é “só estudar” que a aprovação virá.

Para evitar maiores frustrações, resolvemos escrever esse artigo com informações essenciais para todo iniciante em concursos.

E não vamos falar de “como passar em concursos”, até porque já fizemos um artigo sobre isso (leia aqui os 10 passos para ser aprovado em concursos públicos).

Além disso, se você leu alguma coisa sobre concursos já deve ter se deparado com essas informações.

Você vai aprender coisas que só quem já está na caminhada dos concursos há algum tempo aprendeu.

Algumas verdades que quase ninguém conta.

Mas nós, do Mapa, vamos abrir o jogo!

Então eu, Leilane vou contar um pouco da minha experiência a vocês, e dizer como cada uma dessas descobertas mudou o rumo dos meus estudos de alguma forma.

Vamos lá!

 

Não é só estudar

A primeira verdade que eu descobri quando era iniciante em concursos foi: “não é só estudar”.

Se você já pensou que “é só se dedicar bastante, estudar muitas horas, que a aprovação virá”, não podia estar mais enganado!

Mas fique tranquilo, creio que todos já pensaram assim.

Depois que passa a empolgação de iniciante, você percebe que não é só estudar.

E percebe que a jornada dos concursos exige uma preparação emocional, antes de mais nada.

Então a fórmula vai de “só acumular conhecimento” a “acumular conhecimento E aprender a lidar com reprovações, aprender a ser mais humilde, a fazer sacrifícios, a lidar com seu maior concorrente (você mesmo), além de ter que cuidar de aspectos como exercícios físicos, sono e alimentação“.

Eu já vi pessoas desistirem quando estavam tão perto de alcançar a aprovação.

Gente que começou sabendo muito mais que eu, mas que não conseguiu administrar sua mente ao longo caminho.

O que o iniciante em concursos não sabe é que a aprovação vai muito além de só estudar.

Mas agora você sabe!

 

Você precisa aprender a aprender antes de aprender

Um outro conhecimento, muitas vezes negligenciado até pelos estudantes mais avançados, é que você precisa aprender a aprender antes de aprender.

O que isso significa?

Que não basta ter os melhores cursos e livros, se você não souber como abordar esse material da melhor maneira, o tempo investido nele pode ser um desperdício.

E não há melhor professor nesse sentido do que você mesmo.

O concurseiro que passa uma parte do seu tempo afiando o machado, aprendendo sobre técnicas de estudo, organização e administração do emocional, passa na frente de quem estuda mais horas mas não se preocupa em melhorar sua técnica.

Cito aqui o especialista Gabriel Henrique Pinto, que resume muito bem o que seria o “aprender a aprender”:

“Se alguém quer começar na academia ou a correr no parque, deve comprar um bom tênis e aprender as melhores formas de fazer seus exercícios. Da mesma maneira, um cozinheiro precisa amolar suas facas antes de cozinhar, e o pescador deve preparar suas varas e anzóis. O mesmo ocorre com quem quer passar em um concurso público.”

Após meu primeiro concurso, percebi que tinha feito algumas coisas certas, muitas erradas, mas não sabia ao certo ainda como melhorar.

Ainda no aeroporto de volta para casa, comecei a ler um livro que havia levado na viagem “Como Estudar para Concursos“, do Alexandre Meirelles.

E esse livro me salvou!

Porque sem ele, poderia ter continuado fazendo as mesmas coisas, e obtendo o mesmo resultado mediano.

Além de todo ensinamento que adquiri, me abriu as portas para o mundo do “aprender a aprender”.

Então  partir desse momento, vi que sempre teria como otimizar meus processos, o que me levou a uma jornada de autoconhecimento e melhoria contínua dos métodos que utilizava.

E não tenho dúvida de que essa jornada contribuiu muito para as minhas aprovações em primeiro lugar, um ano depois!

 

O material mais caro nem sempre é o melhor

É natural que o iniciante em concursos procure no valor do material a referência que lhe falta de outras pessoas.

Afinal, o mais caro deve ser o melhor, não é mesmo?

Errado!

E sim, é bem possível que o caro seja melhor que o barato.

No entanto, o concurseiro que inicia com esse pensamento corre o risco de se tornar um acumulador de material ao longo do tempo, achando que sempre haverá um mais completo ou mais didático.

Quando na verdade, o melhor material é aquele que você constrói, de preferência com suas próprias palavras, esquemas e imagens.

Não é o mais famoso, e sim aquele que você desenvolve com o conhecimento adquirido de revisões e exercícios.

Então, em vez de se preocupar com o próximo material que você vai adquirir, é sempre melhor trabalhar no material que você já tem.

 

Os concorrentes não são seus inimigos

Quem está iniciando os estudos para concursos pode ser levado a pensar que os concorrentes são seus inimigos.

Mas não existe pensamento mais enganoso e prejudicial do que esse!

Quando eu estudava para concursos encontrei amizades que permanecem até hoje.

Até hoje todos se ajudam, se não com grupos e estudo e compartilhamento de materiais, com um ombro amigo, com experiências.

Aliás, o que eu fazia para os meus grupos de estudo foi a base do que hoje é a metodologia do Mapa Concursos! Ainda tem dúvidas de que a concorrência rendeu bons frutos?

É claro que é possível chegar à aprovação sem a ajuda de ninguém, mas digo por experiência própria, que com amigos concurseiros você chega mais longe e mais rápido.

Então veja que a concorrência só é o inimigo se você permitir.

Se estiver disposto a ajudar e ser ajudado, ela se torna o aliado.

 

Não importa quantas horas você estuda

Muitas pessoas que começam a estudar para concursos logo se preocupam com total de horas líquidas, em estudar mais e mais, se preocupam com o quanto o outro está estudando ou deixa de estudar.

Mas depois que você adquire certa experiência na jornada, percebe que tempo de estudo é um dos seus menores problemas.

Como já falei em “não é só estudar”, você não precisa só de tempo.

Você precisa de dedicação além da média, persistência, resiliência, disciplina, precisa estar disposto a escutar seu corpo e sua mente, e a se conhecer cada vez melhor.

Porque de nada adianta ter todo o tempo do mundo para estudos, se você procrastina, se só enrola ou, ainda, se estuda até a exaustão.

Em última análise, o examinador não quer saber quantas horas você estudou, e sim quantas questões acertou na prova.

Então pare de se preocupar com essas métricas de vaidade e comece a ir atrás do que realmente importa para a aprovação.

 

Todo aprovado já foi iniciante em concursos

Por fim, nem todo iniciante em concursos se dá conta de que todo aprovado já foi… iniciante!

Pois é, ninguém nasceu sabendo como passar em concursos, muito menos com o artigo 5º da Constituição na ponta da língua.

Então todos os fatores que mencionei aqui podem ser aprendidos, e todos os obstáculos podem ser contornados.

É importante respeitar seu ritmo de aprendizado, mas lembre-se sempre: você PODE aprender com os erros e os ensinamentos dos aprovados e passar mais rápido pela fase de “iniciante”.

Use o conhecimento a seu favor, seja estratégico.

E não seja um iniciante em concursos por muito tempo!

Veja também: Como passei nos concursos que prestei

Outras publicações

Entre em contato