Como ser Perito Criminal: tudo o que você precisa saber para ser aprovado

faixa de cena de crime do not cross

Quer ser Perito Criminal mas não sabe como? Então continue acompanhando para saber quem pode ser perito criminal, como ingressar na carreira, fases do concurso, o que estudar, e várias dicas de preparação!

Com remuneração inicial que chega a mais de R$ 21.000,00, saiba como iniciar sua preparação diretamente da sua casa!

O que faz o Perito Criminal

A perícia criminal é atividade típica de Estado, ou seja, não pode ser realizada por instituições particulares, de cunho técnico-científico, que visa analisar vestígios, sendo indispensável para elucidação de crimes.

Assim, o Perito Criminal oficial é, então, o profissional capacitado para a análise desses vestígios que podem estar relacionados a crimes.

De acordo com o Código de Processo Penal, temos que:

Art. 159 do CPP. O exame de corpo de delito e outras perícias serão realizados por perito oficial, portador de diploma de curso superior.

E por se tratar de uma atividade típica do Estado, o perito criminal é um servidor público, e o ingresso na carreira se faz mediante a aprovação em concurso público.

Dentro da profissão, as áreas de atuação são inúmeras, tendo em vista a diversidade de vestígios que podem ser analisados pelos peritos. Para citar algumas áreas, temos por exemplo:

  • Local de morte violenta (típico do seriado CSI)
  • Locais de incêndio
  • Acidentes de trânsito
  • Locais de crime ambiental
  • Laboratório de balística
  • Laboratório de documentoscopia
  • Análise de DNA (genética forense)
  • Análise de drogas
  • Toxicologia forense (pesquisa de tóxicos em materiais biológicos)
  • Informática forense
  • Entomologia forense
  • Contabilidade forense

Portanto, o perito criminal poderá trabalhar em uma ou várias áreas, dependendo da sua formação ou da necessidade do órgão.

Quem pode ser Perito Criminal

Para ser perito criminal é necessária a aprovação em concurso público, que pode ser tanto a nível estadual (para trabalho no órgão de perícia de cada estado), quanto a nível federal (para trabalho na perícia federal).

Além disso, para a posse no cargo de perito, é necessário o diploma de curso superior, como estabelece a lei 12.030/2009:

Art. 2o No exercício da atividade de perícia oficial de natureza criminal, é assegurado autonomia técnica, científica e funcional, exigido concurso público, com formação acadêmica específica, para o provimento do cargo de perito oficial.

(…)

Art. 5o Observado o disposto na legislação específica de cada ente a que o perito se encontra vinculado, são peritos de natureza criminal os peritos criminais, peritos médico-legistas e peritos odontolegistas com formação superior específica detalhada em regulamento, de acordo com a necessidade de cada órgão e por área de atuação profissional.

Como fica claro na legislação, cada órgão irá definir quais cursos superiores serão aceitos no edital do concurso, sendo necessária a avaliação de cada edital para dizer com certeza quais graduações são aceitas.

No entanto, podemos citar algumas das graduações mais aceitas nos último concursos, de acordo com pesquisa feita pelos administradores do instagram @qapconcurseiros:

graduações mais aceitas para perito criminal

Normalmente, também é exigida uma duração mínima de quatro anos de curso.

Assim, o primeiro passo para a aprovação é se certificar de que sua graduação é aceita no edital de interesse.

Mas atenção: não é preciso estar formado para prestar o concurso, pois o diploma é exigido apenas na hora da posse no cargo, após finalizadas todas as etapas do concurso!

Nós, do Mapa Concursos, temos planos de estudo em que você pode iniciar imediatamente sua preparação para Perito Criminal, sem sair de casa.

>> Conheça nossos planos de estudo e garanta sua vaga na perícia criminal!

Fases do concurso para perito criminal

É importante ter em mente que o concurso para perito criminal normalmente envolve várias fases distintas, e o candidato deve estar preparado para todas, do contrário, a reprovação em uma delas pode eliminá-lo do concurso.

De forma geral, os concursos para perito criminal podem ter as seguintes fases:

  • Provas objetiva e discursiva (eliminatória e classificatória)
  • Prova de títulos (classificatória)
  • Teste de aptidão física (eliminatória e pode ser classificatória)
  • Investigação social (eliminatória)
  • Psicotécnico (eliminatória)
  • Exames de saúde (eliminatória)
  • Curso de formação (eliminatória e classificatória)

Prova objetiva

Nessa etapa são avaliados os conhecimentos teóricos do candidato a respeito de temas como legislação, língua portuguesa, matemática, informática, além de poder cobrar conhecimentos específicos de cada graduação (informática, biologia etc.).

Dica de preparação: estude os conteúdos que caíram em provas anteriores do órgão, não espere que saia um novo edital para começar a estudar!

Comece a estudar para a prova objetiva nos nossos planos de estudo. Incluem direcionamento do que é mais importante saber e materiais de apoio. Inicie já sua preparação e saia na frente da concorrência!

Prova discursiva

Normalmente junto com a prova objetiva, a discursiva pode exigir uma dissertação sobre um tema de atualidades, ou sobre um tema do conteúdo programático do edital.

Dica de preparação: a melhor forma de estudar para discursivas é tendo um bom conhecimento da língua portuguesa e com muito treino, fazendo redações e, sempre que possível, contando com o auxílio de correção profissional.

Prova de títulos

Na prova de títulos do edital acumula-se pontos caso o candidato tenha especialização, mestrado, doutorado, experiência anterior no cargo, dentre outros critérios.

Aqui, o peso de cada título será definido no edital, bem como quais serão aceitos.

Dica de preparação: verifique quais titulações são comumente aceitas, antes de investir em cursos visando a obtenção de pontos nessa fase. Também avalie o peso do título, pois às vezes vale mais usar o tempo para buscar maior pontuação na prova objetiva.

Prova de aptidão fisica (TAF)

Na prova de aptidão física é avaliado o desempenho do candidato em testes físicos previamente definidos em edital, como corrida, abdominais, flexão, barra, natação.

Dica de preparação: comece a treinar para o TAF bem antes de prestar a prova, pois a preparação entre prova objetiva e TAF pode não ser suficiente para executar todos os testes exigidos.

Investigação social

Na etapa de investigação social o candidato precisa entregar documentos, certidões e formulários exigidos pelo órgão, e é feita uma investigação da sua conduta social e vida pregressa, buscando avaliar se a conduta do candidato é compatível com a exigida para o trabalho em órgãos de segurança pública.

Dica de preparação: certifique-se de manter suas obrigações com o governo em dia, como título de eleitor regularizado, processos na justiça etc. Pode ser também que alguns documentos precisem ser providenciados com certa antecedência.

Psicotécnico

Aqui a banca avalia se o candidato tem o perfil psicológico adequado para um bom desempenho do cargo, podendo ter testes de personalidade, de memória, raciocínio, bem como entrevistas com psicólogos.

Dica de preparação: conheça o perfil de candidato que o órgão procura, bem como os tipos de testes que podem ser aplicados, e mantenha a calma na hora das avaliações.

Exames de saúde

Alguns editais podem exigir uma série de exames de saúde, para serem aferidas suas condições de saúde para exercício do cargo.

Dica de preparação: verifique as condições incapacitantes discriminadas no edital, e faça exames periódicos a fim de se detectar eventuais problemas de saúde que precisarão ser tratados antes dessa etapa.

Curso de formação

Essa etapa pode ser tanto uma fase do concurso, como pode ocorrer após a nomeação e posso o cargo.

Aqui o candidato participa do curso de formação no cargo, onde terá aulas teóricas e práticas relacionadas ao exercício da profissão.

Dica de preparação: após a aprovação nas etapas anteriores, mantenha o preparo físico para essa etapa e o contato com disciplinas correlatas à área.

O que cai na prova para perito criminal

O conteúdo programático do edital diz respeito às disciplinas que serão cobradas na prova objetiva e às vezes também na prova discursiva.

Como se trata da primeira etapa do concurso, e a que tem maiores taxas de reprovação, um bom desempenho nela é essencial para continuidade no certame.

Para te ajudar, trouxemos um compilado das principais matérias cobradas na prova objetiva, mas lembre-se sempre de procurar os editais e interesse e definir um foco de estudos.

Isso é importante porque o conteúdo das provas pode variar muito dependendo do estado, e ter um foco no concurso que mais te interessa ou naqueles que estão para sair pode te ajudar a economizar tempo de estudo.

Aqui podemos ter dois tipos de prova para perito:

  • Provas para perito geral
  • Provas para perito especialista

As provas para perito geral são aquelas em que todas as graduações concorrem às mesmas vagas e fazem a mesma prova, logo, são cobrado conteúdos mais gerais, que não são específicos de nenhuma área.

>> Plano de estudo para Perito Geral

Os conteúdos mais comuns são:

  • Língua Portuguesa
  • Direito Constitucional, Penal, Processual Penal e Administrativo
  • Informática
  • Raciocínio Lógico
  • Criminalístca
  • Medicina Legal

Já as provas para perito especialista são específicas para cada graduação, e nelas além do conteúdo geral descrito acima, serão cobrados conhecimentos específicos de cada área, normalmente relacionados ao que se estuda na graduação mas, principalmente, às aplicações práticas da perícia criminal (ex.: cobrança de genética forense para os biólogos).

Conheça aqui nossos planos de estudo e obtenha direcionamento específico para sua carreira.

Saiba mais sobre um ciclo básico de estudos no artigo: Quais as matérias mais cobradas em concursos policiais?

Onde encontrar provas e simulados

Após uma base teórica do conteúdo programático, já é hora de começar os treinos tentando resolver provas passadas e simulados.

E a forma mais simples de encontrar uma prova antiga é colocando no google “prova + cargo“.

Dessa forma, normalmente aparecerão várias opções para download, como o site da própria banca organizadora do concurso e sites de cursinhos.

Já outros sites que também possuem provas de concursos para download são:

  • QConcursos
  • TEC Concursos
  • PCI Concursos
  • Aprova Concursos
  • Gabarite

Quanto aos simulados, existem pessoas e empresas que compartilham ou vendem simulados para suas respectivas áreas. Como destaque na área policial, podemos indicar o Projetos Missão.

Dicas de estudo para perito criminal

Para finalizar, vamos dar algumas dicas simples de preparação para os concursos de Perito Criminal, valiosas para quem quer acelerar sua aprovação!

Certifique-se de:

  • Resolver questões de concurso – não fique apenas na teoria, coloque em prática o que aprendeu!
  • Revisar os conteúdos estudados – importante para manter os conhecimentos na memória de longo prazo;
  • Ter um foco de estudos – escolha um edital como base ou matérias comuns a vários editais;
  • Prestar provas – não espere estar preparado, preste provas sempre que puder;
  • Acompanhar os concursos previstos – direcione seus estudos para concursos que estão para abrir e aproveite todas as oportunidades que puder;

Por fim, a melhor dica é não desistir.

Normalmente os concursos para perito demoram para abrir e têm poucas vagas, por isso e importante manter em mente um planejamento da longo prazo e estudar até dar certo.

Se você gostou do conteúdo, compartilhe!

Leia também: Falta tempo para estudar? Aprenda como se organizar!

Planos de estudo Mapa Concursos – direcionamento especializado para perícia criminal e carreiras policiais. Conheça!

Como um plano de estudos pode te ajudar a passar no concurso público

Mãos femininas escrevendo na agenda

Oie! Tudo bem? Aqui é a Leilane, coordenadora do Mapa, e hoje quero falar como um plano de estudos pode te ajudar a passar no concurso público.

O que é um plano de estudos

Primeiro vamos esclarecer o que é um plano de estudos.

Analisando a primeira palavra, “plano” quer dizer um conjunto de passos ou etapas para se alcançar um objetivo.

Quando montamos um sistema para atingir um objetivo relacionado a estudos, seja de vestibular, concurso, faculdade, estamos falando de um plano de estudos.

Na prática, um plano de estudos vai funcionar como um cronograma a ser cumprido, um planejamento, distribuindo atividades referentes ao estudo, como estudo primário, revisões, resolução de exercícios, no tempo que você reservou para essas atividades.

Como montar um plano de estudos

Em resumo, as etapas para montar um planejamento de estudos são:

  1. Coloque no papel sua rotina diária;
  2. Defina os horários que usará para estudo;
  3. Escolha as matérias e tópicos que serão estudados;
  4. Encaixe semanalmente as atividades de estudos nos horários previamente definidos.

A montagem de um plano de estudos é relativamente simples, e essa prática pode trazer muitos benefícios pra você!

Vamos ver agora quais as vantagens de se seguir um plano na hora de estudar, e você verá que essa é uma ferramenta que te ajudará a chegar mais rápido na tão sonhada aprovação.

1 – Otimização dos estudos

A primeira vantagem de se utilizar um cronograma é a otimização dos seus estudos, o que vai acontecer devido a um conjunto de fatores:

  • Melhor aproveitamento do tempo livre
  • Aumento na disciplina
  • Diminuição da procrastinação
  • Melhorias na concentração e foco

Ao colocar no papel todos os seus horários e atividades, é bem possível que você identifique algum horário livre que pode ser usado para estudo, aumentando logo de cara a sua produtividade nos estudos.

E essa vantagem é especialmente importante para quem concilia os estudos com trabalho e precisa aproveitar ao máximo o tempo livre!

O que acontece também é que quando você tem horários definidos para estudar seu cérebro se acostuma com a rotina e fica mais fácil sentar para estudar com o tempo.

Por isso, é natural ficar mais disciplinado para os estudos quando está seguindo um cronograma.

Além disso, saber qual o próximo passo e o que estudar em seguida também é essencial para te ajudar a combater a procrastinação, já que muitos alunos desistem de estudar quando não sabem por onde começar.

E como você estará cada vez mais habituado ao “horário de estudar”, isso terá reflexo na sua capacidade de concentração, que fica maior na medida em que você mantém a constância desse hábito, estudando todos os dias do seu cronograma.

2 – Otimização dos resultados

Ter um plano de estudos otimiza não só o processo, mas também os resultados.

Assim, no seu planejamento, você pode intercalar disciplinas em que tem mais dificuldade com aquelas em que tem mais facilidade, o que vai te fazer cansar menos.

E você também consegue dar maior importância aos tópicos prioritários para sua prova, o que não acontece quando você estuda sem planejamento.

Já imaginou chegar na prova e perceber que faltou estudar parte da matéria ou que não tempo suficiente a assuntos importantes?

Então evite isso com um bom planejamento dos estudos!

3 – Acompanhamento do desempenho e motivação para estudar

Quando você tem um plano de estudos, naturalmente terá um controle do que já foi estudado e do que falta estudar, bem como das metas de estudo para o dia e para a semana.

Esses hábitos de manter controles e metas te ajudam a se manter motivado, pois você consegue enxergar evolução ao cumprir as tarefas diariamente, o que funciona como uma espécie de recompensa imediata para o seu cérebro.

Além disso, se você registra seu desempenho nos exercícios e simulados, obtém um feedback em tempo real do seu desempenho, o que te permite corrigir o curso e melhorar suas técnicas de estudo, caso seja necessário.

4 – Memorização a longo prazo

Uma das atividades que você pode encaixar no seu plano é a de revisão dos assuntos que já foram estudados.

Assim, essas revisões vão ajudar na consolidação e memorização dos conteúdos a longo prazo, evitando o trabalho de ter que estudar tudo do zero novamente daqui a alguns meses!

E sem um plano de estudos, você corre o risco de estudar todo o conteúdo e se esquecer de revisar, colocando a perder todo o esforço feito até então.

5 – Escolha de materiais adequados

Quando você tem uma visão clara do tempo disponível para estudos consegue escolher melhor o tipo de material mais adequado para você.

Por exemplo, quem passa muito tempo em transporte pode optar por cursos que forneçam áudios das matérias, para que possam ouvir no carro, no ônibus.

Ou quem estuda fora de caso pode dar preferência a materiais digitais, como PDFs, que podem ser acessados de qualquer lugar, em detrimento de livros difíceis de carregar.

6 – Mais tempo para estudar

Se você tem um cronograma de estudos bem delineado, sabe quais materiais usar e quais disciplinas estudar em cada horário, então a única coisa que terá que fazer nos horários definidos para estudo é… estudar!

Com um plano de estudos, você não vai perder perder tempo pensando “o que eu estudo agora” e, principalmente, não vai deixar para começar depois.

Assim, a organização prévia permite que você dedique todo seu tempo livre aos estudos, o que, naturalmente, só tem a contribuir com seus resultados!

7 – Priorização dos estudos

Por fim, as metas inerentes ao planejamento ajudam a tratar os estudos como prioridade.

Quando você não tem objetivos a ser cumpridos, pode acabar deixando os estudos de lado, fazendo “só quando dá”, sem a seriedade necessária pra se chegar à aprovação em uma prova de vestibular, faculdade ou concurso.

Por isso, dedique-se em montar ou encontrar um plano de estudos que seja adequado pra você, e terá o planejamento como aliado do esforço e da persistência.

Se você gostou do artigo, lembre-se de compartilhar!

Para otimizar ainda mais sua preparação, leia também:

10 passos para ser aprovado em concursos públicos

10 dicas para estudar e trabalhar sem desgaste

Oie, tudo bem? Aqui é a Leilane, coordenadora do Mapa, e hoje vou te dar dez dicas para estudar e trabalhar sem (tanto) desgaste!

Como estudar e trabalhar sem desgaste

Ter que conciliar a rotina de trabalho e estudos não é fácil, mas é uma realidade para muitas pessoas.

No entanto, na tentativa de manter as duas atividades, algumas pessoas acabam se esforçando até à exaustão, ao mesmo tempo em que não enxergam resultado de todo esse esforço.

Para evitar essa situação e o estresse exacerbado, separamos algumas dicas para que você consiga tirar o máximo do seu tempo de estudos e trabalho, ao mesmo tempo em que mantém sua saúde física e mental.

Então continue lendo para aprender a conciliar trabalho e estudos!

1 – Cada coisa no seu horário

Já falamos anteriormente sobre a importância da organização da rotina para quem concilia mais de uma atividade, e essa organização vem para mostrar que tudo tem sua hora.

Veja o artigo: como conciliar trabalho e estudos

Não adianta trabalhar com a cabeça nos estudos, e nem estudar com a cabeça no trabalho.

Porque você não consegue se concentrar totalmente no que está fazendo se a sua mente está em outro lugar.

Então se dedique totalmente à atividade reservada para o momento, e verá que seu rendimento só tende a aumentar.

Se precisar, desabilite notificações de e-mails e feche arquivos, livros ou abas não relacionados ao que está fazendo no momento.

2 – Enxugue sua rotina

Na busca desenfreada pela tal da “produtividade”, muitas pessoas acabam assumindo mais atividades do que dão conta, e no fim acabam não se dedicando totalmente a nenhuma delas.

Frequentemente, essas atividades nada têm relação com as prioridades do momento, e só servem para te manter ocupado, e não para chegar aos resultados que deseja.

Então reflita sobre as suas prioridades e todos os compromissos que assumiu.

Assim, elimine o que não tiver relação com seus maiores objetivos e poupe energia para o que realmente importa.

Por exemplo, você pode perceber que talvez não seja o melhor momento para aprender mandarim, assumir um novo projeto ou começar a reforma da casa.

3 – Mantenha uma agenda

Se você está conciliando trabalho e estudos, provavelmente terá uma necessidade ainda maior do cuidado com prazos, tarefas compromissos.

Por conta disso, ter uma agenda é essencial para que você saiba tudo o que precisa fazer, e quando precisa ser feito.

Assim, você pode trabalhar antecipadamente para cumprir suas tarefas, e evita que tudo vire urgência.

Lembre-se sempre que as urgências tomam o tempo que você poderia estar dedicando a coisas importantes.

4 – Estabeleça metas

Você se sente sobrecarregado só de pensar em quantas coisas precisa fazer no trabalho, ou no quanto precisa estudar?

Caso seja o seu caso, de modo a minimizar essa sensação, estabeleça metas a serem alcançadas.

Como fazer isso? Escrevendo o que irá cumprir no trabalho essa semana, quantas horas irá estudar, quais tópicos irá finalizar, ou quantas questões irá fazer.

Quando estabelece metas, você foca no presente e no futuro próximo, e evita de se sentir sobrecarregado com o quanto ainda falta cumprir.

5 – Trabalhe com prioridades dinâmicas

É natural que as demandas do trabalho e do estudo flutuem ao longo do tempo.

Então pode ser que nesse mês você tenha um concurso aberto e precise estudar mais; mas pode ser que no mês seguinte você tenha um projeto novo do trabalho e precise fazer hora extra para entregar.

Para lidar melhor com essas flutuações, é essencial adotar o conceito de prioridades dinâmicas, aceitando que o foco vai variar dependendo do momento.

Assim, naturalmente, uma ou outra atividade vai exigir mais de você em determinada semana ou mês.

Isso permite que você se dedique na medida das necessidades, e não fique preso na obrigação de “manter o equilíbrio”, que acontece quando você trata tudo com a mesma prioridade sempre (prioridades estáticas).

6 – Abandone o multitarefas

Realizar múltiplas tarefas leva mais tempo do que resolver os problemas separadamente.

Então se você fica mexendo no celular ou lendo e-mails de trabalho, “enquanto estuda”, está desperdiçando seu tempo.

O que é acontece aqui é que seu cérebro precisa ficar trocando de mecanismo a todo momento, enquanto você oscila de uma tarefa para outra.

E trocar de mecanismo leva tempo, então você nem chega a ficar totalmente focado em uma das tarefas até alternar novamente para outra.

Veja a citação abaixo:

Um estudo descobriu que, quando alternamos continuamente entre tarefas, nosso trabalho leva 50% de tempo a mais em comparação com a realização de uma tarefa do início ao fim.” (Chris Bailey. HIPERFOCO . Editora Benvirá. Edição do Kindle.)

Assim, pode ser que trabalhar e estudar ao mesmo tempo te dê a sensação de que está produzindo mais, quando na verdade está retardando a finalização de ambas as tarefas.

7 – Alimentação adequada

Uma rotina puxada de estudos e trabalho torna ainda mais premente a necessidade de se manter uma alimentação adequada, que não faz bem só para o corpo, mas também para a mente.

Se você se deixar levar pela ansiedade e consumir muitos alimentos gordurosos, lanches, pizzas e afins, não só se sentirá menos disposto, como estará sujeito ao aparecimento de complicações de saúde ao longo prazo.

Portanto, a alimentação saudável é um dos principais pilares para que você consiga ter energia para conciliar tantas atividades.

8 – Rotina de exercícios físicos

Fazer exercícios regularmente melhora nosso desempenho, aumenta a motivação, reduz o estresse, reduz a ansiedade e intensifica sentimentos de controle.

Além disso, atividades físicas têm inúmeros benefícios que nos ajudam na retenção e aprendizagem dos conteúdos.

Então manter uma rotina leve de exercícios (pode até ser uma caminhada matinal) vai te ajudar a se sentir mais disposto ao longo do dia, e a combater a fadiga do trabalho e dos estudos.

9 – Sono de qualidade

Você precisa dormir bem, e dormir o suficiente, pois a falta de sono afeta desde a cognição, a memória, até a velocidade do pensamento.

Dessa forma, quem não dorme o suficiente rende menos no trabalho nos estudos, além de estar colocando em jogo a própria saúde física.

Então tente dormir pelo menos sete horas por noite, não consuma alimentos ou bebidas estimulantes no período da noite, tente ir dormir e acordar todos os dias no mesmo horário e evitar usar dispositivos eletrônicos pelo menos uma hora antes de dormir.

E aqui também é importante alertar: não estude ou trabalhe até a exaustão.

Isso só vai te deixar mais sobrecarregado na hora de dormir, pode gerar insônia e te privar das horas de sono de que você precisa.

Então encerre sua jornada de estudos antes de se sentir completamente exausto para ter um sono de qualidade.

10 – Não se cobre tanto para estudar e trabalhar

Ter em mente que você está fazendo o melhor que pode com o tempo que tem disponível te ajuda a levar essa rotina com mais leveza, ao passo que se cobrar que “deveria estar fazendo mais” pode te encher de preocupações e diminuir seu rendimento.

Então não se cobre tanto.

Não almeje pela rotina “perfeita”, até porque essa não é uma realidade – todos têm problemas e passam por períodos mais complicados.

Se gostou das dicas, compartilhe o post!

Leia também: Foco nos estudos – como melhorar a concentração