10 verdades sobre o concurso de Perito Criminal

Antes de querer ingressar na carreira, é importante que você esclareça mitos e verdades sobre o concurso de Perito Criminal.

Por isso, separamos neste artigo 10 verdades que quase ninguém conta para os concurseiros periciais.

Não cai só Medicina Legal e Criminalística no concurso de Perito Criminal

Essas são matérias amplamente divulgadas quando se trata do concurso de Perito Criminal.

O que mais temos são cursos e professores delas, principalmente Peritos Criminais.

Mas quando essas matérias caem, em regra, são poucas questões, em comparação ao restante do conteúdo programático.

E quase todo mundo acerta porque são matérias legais de estudar e questões relativamente fáceis.

Então se você quer ter chances de ser aprovado, precisa se diferenciar nas outras matérias do concurso.

Que não são poucas. E nem tão legais.

Um edital de Perito tem de 15 a 20 matérias normalmente, então comece a se preparar para tudo, não só para as queridinhas dos concurseiros.

Veja aqui os editais de concurso de Perito Criminal do Brasil para atestar essa informação.

Direito não é uma área da Perícia

A Perícia Criminal é uma área que utiliza de conhecimentos técnico científicos para produzir prova no processo criminal.

Por exemplo, peritos químicos utilizam técnicas validadas cientificamente na área de química para fazer a análise de medicamentos e drogas apreendidas.

E embora seja importante conhecer vários dispositivos jurídicos, em especial os do Direito Penal, Processual Penal, Constitucional e Administrativo, para bom exercício do cargo público, este conhecimento não é diretamente relacionado à atuação da profissão.

Em outras palavras, não é o conhecimento jurídico, das leis, que é utilizado para compor a base de um laudo pericial criminal.

Veja este trecho:

“O principal objetivo do curso de Direito é capacitar profissionais para manter a ordem social e resolver conflitos entre pessoas através da aplicação das leis vigentes no país.

Como o homem se organiza em sociedade e como ele cria as regras desta convivência são objetos de estudo da área de Direito. Portanto, este curso pertence às Ciências Humanas.” – Guia da Carreira – Direito é Humanas ou Exatas?

Não existe uma “área de Direito” na perícia, como existem os setores específicos em que trabalham Biólogos, Farmacêuticos, Engenheiros, etc.

Assim, são poucos os concursos que aceitam esta graduação e, quando aceitam, normalmente se concorre a Perito Geral.

Então se você está querendo ser Perito Criminal, saiba que o curso de Direito não é a melhor escolha.

Leia também: Perito Geral e especialista – quais as diferenças

Faculdade de perícia não te forma perito criminal

O mercado de trabalho, nesse caso, é o da perícia judicial e assistentes técnicos, principalmente.

Para ser perito criminal oficial, trabalhando nos órgãos de segurança pública, você precisa ser aprovado no concurso público – no qual essa faculdade também não é aceita normalmente.

Não é possível ser perito oficial sem concurso.

E dos concursos dos últimos anos para Perito, apenas dois aceitaram qualquer curso superior, caso em que os tecnólogos entrariam: Minas Gerais e Bahia.

Porém, a tendência é que a legislação estadual seja modificada ao longo dos anos, para restringir as graduações aceitas nesses editais também.

Novamente, esses cursos de investigação, perícia e afins não são as melhores escolhas para quem quer ser Perito Criminal.

E qual curso escolher, então? Falamos aqui quais são os mais aceitos.

Como ser Perito Criminal: tudo que você precisa saber para ser aprovado (mapaconcursos.com.br)

Tecnólogo não é aceito na maior parte dos concursos

Você pode concorrer pra Papiloscopista, Agente, Escrivão, e outras carreiras da perícia/polícia com um tecnólogo.

Mas pra Perito Criminal, são pouquíssimos editais que aceitam tecnólogos.

A maioria restringe a cursos específicos (como explicamos acima), ou limita ao diploma de bacharel.

Mesmo que seja um tecnólogo de “perícia criminal” e afins, as chances de ser aceito são mínimas.

Uma exceção são os tecnólogos da área de Informática, que normalmente se enquadram nos requisitos do edital, se não houver outras restrições.

Não é necessário ter pós-graduação

Pós-graduação pode te ajudar com alguns pontos na prova de títulos, mas nem todo edital tem essa etapa.

Ainda assim, o mais importante é sua nota na prova objetiva e prova discursiva.

Você precisa ter uma nota alta e passar da primeira fase para ter seus títulos avaliados.

Claro que, com a proximidade das notas, alguns pontos dos títulos podem fazer a diferença e mudar sua classificação, mas não é necessário ter e muitos concurseiros são aprovados com zero pontos na etapa dos títulos (eu, inclusive, que fui aprovada três vezes nas primeiras colocações pra Perito – sem nenhum título).

Leia mais a respeito aqui: Prova de títulos em concursos: como funciona? (mapaconcursos.com.br)

Em resumo, os títulos podem te ajudar a depender da sua proximidade com outros candidatos da sua área.

Mas não são necessários, visto que esta não é uma etapa eliminatória do concurso, apenas classificatória.

Pós-graduação na área não muda requisito

Se o seu curso não está no edital, não adianta fazer pós-graduação na área, pois seu curso vai continuar não sendo aceito.

Então é preciso verificar quais graduações são aceitas, antes de mais nada.

A graduação é o que importa.

Se você está perdido ainda e não sabe nem por onde começar a fazer isso, baixe nosso e-book gratuito:

Como Passar em Concursos de Perito Criminal – E-Book Gratuito (mapaconcursos.com.br)

Cursos práticos de Perícia não valem nada pro concurso de Perito Criminal

Cursos práticos (ex.: curso de local de crime) te apresentam um pouco das áreas da perícia e, no máximo, ensinam alguns conceitos de Criminalística e Medicina Legal.

A contribuição para o concurso, em regra, é mínima. E não conta ponto na prova de títulos também.

Então pode contar esses cursos como entretenimento, não como preparação para o concurso de Perito Criminal.

Não existe concurso de Perito fácil

Muitos ficam perguntando de cursos com mais vagas, de editais com notas de corte menores, mas a realidade é que tudo isto é secundário e a verdade é uma só:

Não existe concurso de Perito fácil.

Sempre são poucas vagas (comparado à demanda), concorrentes qualificados e apaixonados pela profissão.

Além dos editais longos e complexos, que exigem muita dedicação e tempo de estudos.

Não ache que você irá prestar um concurso de Perito “pra ver no que dá” e ser aprovado assim.

O ingresso na carreira de Perito Oficial é possível, mas saiba que vai exigir muito de você – em qualquer edital que resolver prestar!

Entendo a insegurança e o medo de não ser capaz que você pode estar sentindo agora.

Eu mesma quase desisti de prestar o concurso do IGP-RS (onde trabalho hoje) quando vi que a concorrência para a minha área seria de 1.300 candidatos por vaga (eram apenas duas).

Mas eu passei por cima do meu medo e fui aprovada em primeiro lugar, mesmo achando que não tinha chances.

Então dê seu melhor, estude bastante, melhore suas técnicas, e foque no que você pode fazer.

Mas nunca subestime um concurso de Perito Criminal!

Não são as mesmas matérias em todos os concursos

Também não existe um conjunto de matérias que você vai estudar e que valerá pra qualquer concurso de Perito.

Os editais variam bastante, principalmente entre Perito Geral e Especialista.

Por isso, o ideal é sempre ter um foco – estudar para um concurso por vez, e não querer abraçar todos.

Se o concurso de Perito já difícil estudando pra uma prova só, imagina se você dividir seu tempo, atenção e recursos em mais de um?

Você pode prestar outras provas no caminho, mas tenha um foco por vez.

No nosso E-book ensinamos como começar a estudar para concursos de Perito Criminal.

Pode prestar concurso de Perito ainda na faculdade

Por fim, saiba que não é preciso ter concluído a faculdade para prestar o concurso de Perito Criminal.

O diploma de ensino superior só é exigido na hora da posse – ou seja, você precisa ser aprovado e nomeado, coisas que normalmente levam anos para acontecer.

Além da dificuldade dos concursos, o que aumenta bastante o tempo médio para aprovação, os concursos de Perito têm muitas fases que se estendem bastante.

E as turmas de aprovados podem ser chamadas em diferentes tempos.

Então dependendo da sua posição, pode ser nomeado em meses após o fim do concurso… ou anos!

Eu prestei o concurso do IGP-RS em 2017 e fui nomeada em 2018.

Mas tivemos mais de uma turma de nomeados, do mesmo concurso, em 2022. Para você ter uma ideia como o andamento é variável e imprevisível.

Se você gostou de saber dessas informações, te convido a conhecer nossa mentoria para o concurso de Perito Criminal.

Na mentoria, você otimiza seu tempo e pode alcançar a aprovação mais rapidamente.

Somos a plataforma mais antiga e com mais alunos especializada em concursos de Perito Criminal.

Já são 8 anos de experiência em concursos de Perito, mais de 700 mentorados e dezenas de alunos aprovados.

Saiba mais sobre a mentoria aqui.

Espero que tenha gostado dessas informações!

Compartilhe o artigo se te ajudou de alguma forma.

Leilane Verga

Leilane Verga

Deixe um comentário

Posts Recentes

Siga-nos no Facebook

Canal do YouTube