Falta motivação para estudar? Saiba o que fazer!

Se te falta motivação para estudar, bora aprender nesse artigo várias estratégias para contornar esses momentos mais difíceis!

 

Falta motivação para estudar?

Anda desmotivado e sem conseguir estudar ultimamente?

Tem alguns dias animados mas na maioria deles tem muita dificuldade pra “pegar no tranco”?

Ou, ainda, está desanimado com seus próprios resultados?

Se você respondeu “sim” a alguma das perguntas acima, acho que pode se beneficiar de algumas dicas pró-motivação que eu darei aqui!

Bom, a realidade é que você não pode depender SÓ de motivação pra estudar.

Até porque se fôssemos esperar pra acordar dispostos e morrendo de vontade de passar o dia com a bunda na cadeira, nunca estudaríamos, não é mesmo? Haha

Mas sei que todo mundo rende melhor quando se sente bem, então esse é o objetivo do post: te fazer encontrar uma energia extra pra estudar e, quem sabe assim, se sentir mais motivado pra continuar estudando!

Então vamos ver várias táticas pra te ajudar nisso.

 

#1 Reconecte-se com o seu propósito

A maior motivação que você ter é o seu próprio objetivo.

Então reflita: por que você está estudando?

Aqui, tente ir além do óbvio “pra ser aprovado, “pra ter dinheiro”.

Claro que são motivos válidos, mas pense também no que você conquista depois – segurança, conforto, estabilidade?

Reconectar-se com o seu propósito é a primeira medida a ser tomada quando te falta motivação para estudar.

E também vale se lembrar diariamente da sua motivação, fazendo um quadro dos sonhos, por exemplo!

 

#2 Diminua suas expectativas

Muitos ficam desmotivados justamente porque esperam DEMAIS de si mesmos e quase nunca alcançam suas metas.

Então a melhor maneira de driblar isso é tendo minimetas, mini-hábitos.

Para combater a falta de motivação, foque em ter pequenas mas significativas conquistas.

Se a meta era estudar 100 páginas, por que não diminuiu para 10 páginas?

Sempre é melhor fazer menos e se sentir bem por isso, do que não fazer nada, e se sentir pior ainda.

 

#3 Use recompensas para estudar

Nada melhor do que estudar sabendo que terá uma recompensa se cumprir suas metas.

Então não deixe que o estudo seja apenas uma obrigação, e tenha “presentes” para si mesmo toda vez que cumprir o que definiu.

Pode ser assistir um episódio da sua série preferida, ler um livro, sair com os amigos, você decide.

E algumas pessoas até usar a marcação em controles de estudo como recompensa nessa etapa. Vale tudo o que te fizer se sentir melhor.

Sem gratificações imediatas é fácil demais se sentir desmotivado, porque a recompensa maior que virá dos estudos (a aprovação) está ainda distante temporalmente, e nosso cérebro não acha isso nada legal.

De acordo com os maiores especialistas em hábitos e força de vontade, uma das melhores maneiras para fugir da falta de motivação é justamente estabelecer essas recompensas imediatas.

 

#4 Foque nos seus sucessos

Em vez de prestar atenção em quantas questões ainda está errando, porque não comemora mais seus acertos?

Temos o péssimo hábito de não olhar para os nossos sucessos, para o quanto já conquistamos, e nos esquecemos de ver o quanto já evoluímos.

E isso se torna ainda mais relevante no caso dos concursos, em que você descobre todo um mundo novo de informações “não aprendidas” cada vez que avança na matéria.

Então pra variar, foque nos seus sucessos.

Olhe para trás e veja o quanto já estudou, o quanto já evoluiu.

Parabenize-se mais e verá a motivação aumentar!

 

#5 Gere emoções positivas

Sempre que precisamos fazer algo que exige muito de nós é recomendado fazer algo positivo para balancear suas emoções.

Por exemplo, você pode ouvir algumas músicas que te animam, ou brincar com seu cachorro antes de começar a estudar.

Enquanto estuda também dá para colocar essa estratégia em prática, fazendo algo que você goste – mas que não te tire a atenção, por exemplo, comendo um capuccino ou um docinho.

E também há a possibilidade de ouvir uma playlist de músicas que você gosta, ou colocar uma música no repeat – o que é uma estratégia também utilizada para aumentar a concentração:

No seu livro On Repeat: How Music Plays the Mind, a psicóloga Elizabeth Hellmuth Margulis explica por que ouvir música repetidamente melhora o foco. Quando você está ouvindo uma música repetidamente, tende a se dissolver na música, o que impede a mente divagar.

Então veja só: uma estratégia = dois problemas resolvidos!

 

#6 Entre em contato com quem te motiva

Pode ser um aprovado no cargo que você almeja, um amigo dedicado ou um parente que te apoia incondicionalmente.

Não há nada melhor para dar aquele gás de motivação do que falar com alguém que te inspira a ser e fazer melhor!

E aqui também vale procurar por vídeos que te motivam, ler sobre a atuação no seu cargo, histórias de aprovado.

Você verá que todos que estão onde você quer chegar agora também já passaram por muitos obstáculos.

 

#7 Dedique-se em construir o hábito de estudos

Por fim, lembre-se que quanto mais firme seu hábito de estudos, menor a motivação necessária para começar a estudar.

É a mensagem que eu sempre passo na nossa mentoria: foque sempre em construir disciplina para ficar menos sujeito às suas oscilações de humor.

Para estratégias pra construir hábitos de estudos, leia também este artigo: Como Construir Hábitos de Estudo 

Motivação faz bem, mas na dose certa.

Espero que tenham gostado do artigo, e lembrem-se de compartilhar!

Até mais.

Como escolher o melhor material para concurso

escolhendo material

Você sabe como escolher o melhor material para concurso?

Continue lendo para aprender sobre os principais fatores que influenciam na escolha do seu material de estudos!

A escolha do material para concurso

Como já falamos anteriormente sobre os pilares do método de estudos ideal, sem um material confiável e completo é impossível ter qualidade nos estudos.

Assim, o concurseiro deve evitar “investimento” em materiais de qualidade duvidosa, desatualizados, rateios, ou em materiais que não sejam compatíveis com seu nível de estudos na matéria.

Da mesma forma, o tipo de mídia também deve ser avaliado, a fim de escolher uma que leve ao melhor aproveitamento a longo prazo.

Quando você escolhe o material com consciência, tem mais chances de acelerar e tornar seu estudo eficiente, além de conseguir poupar dinheiro.

Então para te auxiliar na escolha do melhor material para concurso, para seu caso, vamos falar agora mais extensamente dos cinco fatores de maior impacto nessa decisão, que são:

  • Tipo de mídia
  • Conhecimento na disciplina
  • Dificuldade
  • Professores
  • Referências

 

Tipo de mídia

O tipo de mídia do seu material para concurso é o primeiro fator que deve ser analisado na hora de fazer a escolha.

Aqui, você deve escolher o formato do seu material de estudo: livro, PDF, videoaula, podcast? É texto ou áudio? Físico ou digital?

Por exemplo, quando eu estudava para concursos, acabei comprando um Vade Mecum por influência dos meus colegas concurseiros.

E esse foi um dos piores investimentos que fiz, mal usei o Vade Mecum e acabou sendo um dinheiro jogado fora.

Por que?

Porque eu não tinha condições de carregar um livro tão grande quanto esse, mal tinha espaço no meu local de estudos pra manusea-lo direito, então não foi uma boa opção para mim.

Com o tempo, descobri que o tipo de mídia que mais se encaixa com as minhas necessidades eram os materiais digitais e escritos, que pudessem ser acessados de qualquer lugar.

Outro caso seria o das pessoas que estão constantemente em deslocamentos, que poderiam fazer maior proveito de aulas em áudio, caso estejam dirigindo, ou videoaulas.

Então antes de comprar qualquer material você precisa analisar qual se adapta melhor às suas necessidades e afinidade por cada tipo de mídia.

 

Nível de conhecimento na disciplina

Se você já usou um material e pensou: “não tenho a mínima ideia do que isso quer dizer”?, é um sinal de que estava com um material não adequado ao seu nível de conhecimento.

Na minha época de concursos lembro de ter comprado um livro de Direito Penal, do Rogério Sanches, que na verdade só fui usar no meu último ano de estudos.

Simplesmente era um material aprofundado demais para quando comecei a estudar Direito, e não consegui ficar “em paz” com ele antes de ter um conhecimento razoável em Direito Penal.

Então é essencial que você avalie: o quanto você já sabe dessa matéria? É um iniciante ou tem certa base? Já tem amplo conhecimento na disciplina?

Assim poderá escolher um material de complexidade compatível com seu nível de estudos, respeitando seu ritmo de aprendizagem.

Por exemplo, alguns materiais como livros e doutrinas são ótimos para quem tem uma base sólida na matéria.

Já os iniciantes devem focar em aprender o básico da matéria primeiro, dando preferência a materiais mais enxutos e de didática melhor, como sinopses e cursinhos.

Se você não escolhe um material adequado ao seu conhecimento na matéria poderá estudar conteúdos desnecessários, desanimar com tantas informações e não conseguir filtrar o que é mais importante.

 

Dificuldade na matéria

Escolher o material para concurso que seja compatível com a sua dificuldade na disciplina segue os mesmos princípios do nível de conhecimento.

Engana-se quem sofre com a matéria e acha que precisa de materiais mais complexos para conseguir entender melhor.

Na realidade, o que você precisa é exatamente o contrário!

Quem tem muita dificuldade na matéria precisa de materiais mais básicos, “para iniciantes”, com uma didática muito clara e sem apego a detalhes.

Assim, o aluno consegue avançar na matéria respeitando sua relação com a disciplina, e aprende o mais básico primeiro, antes de avançar para partes mais complexas.

Esses dois itens, conhecimento e dificuldade, são pontos-chave para uma boa compreensão das matérias.

Tanto que um ponto crucial no nosso plano de estudos Foco é estudar o perfil do aluno para fazer indicações que sejam compatíveis com sua afinidade com as matérias.

 

Professores

Se você não “vai com a cara” do professor, fica mais difícil de entender a matéria.

Há evidências científicas indicando que se você tem empatia e conexão com a pessoa, absorverá melhor o conteúdo que ela está te passando.

Então veja, é muito importante se identificar com o professor e com a didática dele.

Já parei de consumir aulas de um determinado cursinho pois na época as ideologias da equipe não estavam de acordo com os meus princípios, e eu já sentia certo afastamento na hora de ver as aulas.

É claro que essa relação não funcionaria, né?

Assim, é essencial que você conheça quem está ministrando as aulas antes de compra-las, usando os materiais de demonstração do curso e dos livros.

Também procure por aulas do cursinho e do professor na internet, referências, redes sociais.

Analise se o estilo de aula está de acordo com o que você procura.

Por fim, evite adquirir combos em que você não pode escolher o professor para cada disciplina (os famosos combos), dando preferência para escolha individual de cada matéria.

Referências sobre o material

Quando estamos procurando como escolher o melhor material para concurso é natural ouvir opiniões a respeito dos materiais cotados.

No entanto, sabemos que dois fatores principais podem estar afetando as indicações que você recebe:

  1. A necessidade dos cursinhos e editoras de “vender” seu peixe a qualquer custo
  2. E a opinião de pessoas que têm pouca ou nenhuma experiência com concursos

Assim, você precisa analisar quem está emitindo a opinião, se é confiável, se tem conhecimento sobre o material ou está “no mesmo barco” que você.

Já vi concurseiro indicando um material ruim para mais pessoas (meu julgamento), sem nunca ter prestado uma prova, sem realmente validar a qualidade daquela fonte.

Ou, ainda, pode ser alguém divulgando o material para receber comissão, mas que sequer estudou por ele ou avaliou se era no mínimo razoável.

Não vou citar nomes, pois não estou aqui para apontar dedos, mas eu já conversei com um influencer bem famoso da minha área, e perguntei se o material que ele divulgava nas redes era realmente bom.

E a resposta foi: “Não sei dizer, mas estou ganhando X reais por curso vendido”.

E, infelizmente, eu tenho que dizer que tem muita gente que se aproveita da influência no nosso meio para obter vantagem sobre os concurseiros “desesperados por material”.

Eu sei disso porque já estive dos dois lados: já fui a pessoa que acreditava no cara que indicou o material e, hoje, sou a influencer (não gosto desse termo!) com a oportunidade de conhecer a “verdade” por trás de muita indicação que de honesta não tem nada.

Então eu sugiro que você avalie criticamente a referência sobre o material que está pesquisando.

Quem está divulgando? Você confia nessa pessoa?

 

O Mapa tem material para concurso?

Aproveito para fechar esse artigo explicando melhor um ponto que muita gente tem dúvida: se os nossos planos de estudo incluem videoaulas e PDFs.

Então quero esclarecer que o Mapa não é um cursinho preparatório, e nós não vendemos materiais de estudo, e sim estratégia para a aprovação.

E eu digo com muita confiança que nenhum cursinho, nenhuma aula ou PDF vai te proporcionar o que nós oferecemos, por três razões principais:

Primeiro que os cursinhos te fazem ser um acumulador de material, ofertando cursos novos, assinatura vitalícia e cada hora é uma novidade.

E a gente não quer que você compre mais materiais de estudo, e sim que tire melhor proveito do material que já tem (por isso a importância de, em primeiro lugar, escolher um bom material, entende?!).

Segundo ponto é que você pode ter o melhor material do mundo, mas se você não tiver disciplina pra sentar e estudar e não souber como se organizar, esse material não serve pra nada.

E isso não acontece no Mapa, porque nós deixamos que você use o seu tempo pra estudar de forma consistente e cuidamos da organização dos estudos pra você.

Finalmente, terceiro, é que diferentemente da maioria dos cursos que você vai encontrar, o nosso direcionamento é totalmente específico para os cargos com que trabalhamos.

Tanto que nosso trabalho é focado em carreiras policiais e da perícia, o que permite esse nível de especialidade que nenhum cursinho vai ter.

Então não, nós não somos um cursinho preparatório – e não temos pretensão de ser!

Nós fornecemos estratégia aos alunos, em vez de mandar mais material de estudo.

E no fim, quem você acha que passa primeiro no concurso? Quem acumulou mais material ou quem estudou direito?

 

Escolha o melhor material para concurso… para você!

Então veja que, uma vez escolhido um material bacana para você, só vai te restar estudar – bunda na cadeira!

Sem ir correndo comprar mais material toda vez que abre um edital, ou toda vez que o cursinho faz promoção.

Dedique-se em encontrar o SEU melhor material para concurso.

Espero que tenham gostado do artigo, e que façam escolhas mais sábias de agora em diante!

Ah, compartilhe se essas informações foram úteis pra você.

Até mais.

O que todo iniciante em concursos deveria saber

menina estudando

Existem algumas coisas que todo iniciante em concursos deveria saber antes de dar início aos seus estudos para concursos.

E não, não estamos falando de técnicas de estudo e de organização, e sim de detalhes que quase ninguém conta!

Trata-se daqueles ensinamentos e experiências que só vivendo pra aprender.

Mas nós, do Mapa, estamos aqui para te adiantar alguns deles.

E aí, pronto para algumas revelações?

 

O que todo iniciante em concursos deveria saber

É normal começar a estudar para concursos e se sentir perdido com tanta informação.

Ou, ainda, achar que a matemática é simples e que é “só estudar” que a aprovação virá.

Para evitar maiores frustrações, resolvemos escrever esse artigo com informações essenciais para todo iniciante em concursos.

E não vamos falar de “como passar em concursos”, até porque já fizemos um artigo sobre isso (leia aqui os 10 passos para ser aprovado em concursos públicos).

Além disso, se você leu alguma coisa sobre concursos já deve ter se deparado com essas informações.

Você vai aprender coisas que só quem já está na caminhada dos concursos há algum tempo aprendeu.

Algumas verdades que quase ninguém conta.

Mas nós, do Mapa, vamos abrir o jogo!

Então eu, Leilane vou contar um pouco da minha experiência a vocês, e dizer como cada uma dessas descobertas mudou o rumo dos meus estudos de alguma forma.

Vamos lá!

 

Não é só estudar

A primeira verdade que eu descobri quando era iniciante em concursos foi: “não é só estudar”.

Se você já pensou que “é só se dedicar bastante, estudar muitas horas, que a aprovação virá”, não podia estar mais enganado!

Mas fique tranquilo, creio que todos já pensaram assim.

Depois que passa a empolgação de iniciante, você percebe que não é só estudar.

E percebe que a jornada dos concursos exige uma preparação emocional, antes de mais nada.

Então a fórmula vai de “só acumular conhecimento” a “acumular conhecimento E aprender a lidar com reprovações, aprender a ser mais humilde, a fazer sacrifícios, a lidar com seu maior concorrente (você mesmo), além de ter que cuidar de aspectos como exercícios físicos, sono e alimentação“.

Eu já vi pessoas desistirem quando estavam tão perto de alcançar a aprovação.

Gente que começou sabendo muito mais que eu, mas que não conseguiu administrar sua mente ao longo caminho.

O que o iniciante em concursos não sabe é que a aprovação vai muito além de só estudar.

Mas agora você sabe!

 

Você precisa aprender a aprender antes de aprender

Um outro conhecimento, muitas vezes negligenciado até pelos estudantes mais avançados, é que você precisa aprender a aprender antes de aprender.

O que isso significa?

Que não basta ter os melhores cursos e livros, se você não souber como abordar esse material da melhor maneira, o tempo investido nele pode ser um desperdício.

E não há melhor professor nesse sentido do que você mesmo.

O concurseiro que passa uma parte do seu tempo afiando o machado, aprendendo sobre técnicas de estudo, organização e administração do emocional, passa na frente de quem estuda mais horas mas não se preocupa em melhorar sua técnica.

Cito aqui o especialista Gabriel Henrique Pinto, que resume muito bem o que seria o “aprender a aprender”:

“Se alguém quer começar na academia ou a correr no parque, deve comprar um bom tênis e aprender as melhores formas de fazer seus exercícios. Da mesma maneira, um cozinheiro precisa amolar suas facas antes de cozinhar, e o pescador deve preparar suas varas e anzóis. O mesmo ocorre com quem quer passar em um concurso público.”

Após meu primeiro concurso, percebi que tinha feito algumas coisas certas, muitas erradas, mas não sabia ao certo ainda como melhorar.

Ainda no aeroporto de volta para casa, comecei a ler um livro que havia levado na viagem “Como Estudar para Concursos“, do Alexandre Meirelles.

E esse livro me salvou!

Porque sem ele, poderia ter continuado fazendo as mesmas coisas, e obtendo o mesmo resultado mediano.

Além de todo ensinamento que adquiri, me abriu as portas para o mundo do “aprender a aprender”.

Então  partir desse momento, vi que sempre teria como otimizar meus processos, o que me levou a uma jornada de autoconhecimento e melhoria contínua dos métodos que utilizava.

E não tenho dúvida de que essa jornada contribuiu muito para as minhas aprovações em primeiro lugar, um ano depois!

 

O material mais caro nem sempre é o melhor

É natural que o iniciante em concursos procure no valor do material a referência que lhe falta de outras pessoas.

Afinal, o mais caro deve ser o melhor, não é mesmo?

Errado!

E sim, é bem possível que o caro seja melhor que o barato.

No entanto, o concurseiro que inicia com esse pensamento corre o risco de se tornar um acumulador de material ao longo do tempo, achando que sempre haverá um mais completo ou mais didático.

Quando na verdade, o melhor material é aquele que você constrói, de preferência com suas próprias palavras, esquemas e imagens.

Não é o mais famoso, e sim aquele que você desenvolve com o conhecimento adquirido de revisões e exercícios.

Então, em vez de se preocupar com o próximo material que você vai adquirir, é sempre melhor trabalhar no material que você já tem.

 

Os concorrentes não são seus inimigos

Quem está iniciando os estudos para concursos pode ser levado a pensar que os concorrentes são seus inimigos.

Mas não existe pensamento mais enganoso e prejudicial do que esse!

Quando eu estudava para concursos encontrei amizades que permanecem até hoje.

Até hoje todos se ajudam, se não com grupos e estudo e compartilhamento de materiais, com um ombro amigo, com experiências.

Aliás, o que eu fazia para os meus grupos de estudo foi a base do que hoje é a metodologia do Mapa Concursos! Ainda tem dúvidas de que a concorrência rendeu bons frutos?

É claro que é possível chegar à aprovação sem a ajuda de ninguém, mas digo por experiência própria, que com amigos concurseiros você chega mais longe e mais rápido.

Então veja que a concorrência só é o inimigo se você permitir.

Se estiver disposto a ajudar e ser ajudado, ela se torna o aliado.

 

Não importa quantas horas você estuda

Muitas pessoas que começam a estudar para concursos logo se preocupam com total de horas líquidas, em estudar mais e mais, se preocupam com o quanto o outro está estudando ou deixa de estudar.

Mas depois que você adquire certa experiência na jornada, percebe que tempo de estudo é um dos seus menores problemas.

Como já falei em “não é só estudar”, você não precisa só de tempo.

Você precisa de dedicação além da média, persistência, resiliência, disciplina, precisa estar disposto a escutar seu corpo e sua mente, e a se conhecer cada vez melhor.

Porque de nada adianta ter todo o tempo do mundo para estudos, se você procrastina, se só enrola ou, ainda, se estuda até a exaustão.

Em última análise, o examinador não quer saber quantas horas você estudou, e sim quantas questões acertou na prova.

Então pare de se preocupar com essas métricas de vaidade e comece a ir atrás do que realmente importa para a aprovação.

 

Todo aprovado já foi iniciante em concursos

Por fim, nem todo iniciante em concursos se dá conta de que todo aprovado já foi… iniciante!

Pois é, ninguém nasceu sabendo como passar em concursos, muito menos com o artigo 5º da Constituição na ponta da língua.

Então todos os fatores que mencionei aqui podem ser aprendidos, e todos os obstáculos podem ser contornados.

É importante respeitar seu ritmo de aprendizado, mas lembre-se sempre: você PODE aprender com os erros e os ensinamentos dos aprovados e passar mais rápido pela fase de “iniciante”.

Use o conhecimento a seu favor, seja estratégico.

E não seja um iniciante em concursos por muito tempo!

Veja também: Como passei nos concursos que prestei

10 dicas para estudar e trabalhar sem desgaste

Oie, tudo bem? Aqui é a Leilane, coordenadora do Mapa, e hoje vou te dar dez dicas para estudar e trabalhar sem (tanto) desgaste!

Como estudar e trabalhar sem desgaste

Ter que conciliar a rotina de trabalho e estudos não é fácil, mas é uma realidade para muitas pessoas.

No entanto, na tentativa de manter as duas atividades, algumas pessoas acabam se esforçando até à exaustão, ao mesmo tempo em que não enxergam resultado de todo esse esforço.

Para evitar essa situação e o estresse exacerbado, separamos algumas dicas para que você consiga tirar o máximo do seu tempo de estudos e trabalho, ao mesmo tempo em que mantém sua saúde física e mental.

Então continue lendo para aprender a conciliar trabalho e estudos!

1 – Cada coisa no seu horário

Já falamos anteriormente sobre a importância da organização da rotina para quem concilia mais de uma atividade, e essa organização vem para mostrar que tudo tem sua hora.

Veja o artigo: como conciliar trabalho e estudos

Não adianta trabalhar com a cabeça nos estudos, e nem estudar com a cabeça no trabalho.

Porque você não consegue se concentrar totalmente no que está fazendo se a sua mente está em outro lugar.

Então se dedique totalmente à atividade reservada para o momento, e verá que seu rendimento só tende a aumentar.

Se precisar, desabilite notificações de e-mails e feche arquivos, livros ou abas não relacionados ao que está fazendo no momento.

2 – Enxugue sua rotina

Na busca desenfreada pela tal da “produtividade”, muitas pessoas acabam assumindo mais atividades do que dão conta, e no fim acabam não se dedicando totalmente a nenhuma delas.

Frequentemente, essas atividades nada têm relação com as prioridades do momento, e só servem para te manter ocupado, e não para chegar aos resultados que deseja.

Então reflita sobre as suas prioridades e todos os compromissos que assumiu.

Assim, elimine o que não tiver relação com seus maiores objetivos e poupe energia para o que realmente importa.

Por exemplo, você pode perceber que talvez não seja o melhor momento para aprender mandarim, assumir um novo projeto ou começar a reforma da casa.

3 – Mantenha uma agenda

Se você está conciliando trabalho e estudos, provavelmente terá uma necessidade ainda maior do cuidado com prazos, tarefas compromissos.

Por conta disso, ter uma agenda é essencial para que você saiba tudo o que precisa fazer, e quando precisa ser feito.

Assim, você pode trabalhar antecipadamente para cumprir suas tarefas, e evita que tudo vire urgência.

Lembre-se sempre que as urgências tomam o tempo que você poderia estar dedicando a coisas importantes.

4 – Estabeleça metas

Você se sente sobrecarregado só de pensar em quantas coisas precisa fazer no trabalho, ou no quanto precisa estudar?

Caso seja o seu caso, de modo a minimizar essa sensação, estabeleça metas a serem alcançadas.

Como fazer isso? Escrevendo o que irá cumprir no trabalho essa semana, quantas horas irá estudar, quais tópicos irá finalizar, ou quantas questões irá fazer.

Quando estabelece metas, você foca no presente e no futuro próximo, e evita de se sentir sobrecarregado com o quanto ainda falta cumprir.

5 – Trabalhe com prioridades dinâmicas

É natural que as demandas do trabalho e do estudo flutuem ao longo do tempo.

Então pode ser que nesse mês você tenha um concurso aberto e precise estudar mais; mas pode ser que no mês seguinte você tenha um projeto novo do trabalho e precise fazer hora extra para entregar.

Para lidar melhor com essas flutuações, é essencial adotar o conceito de prioridades dinâmicas, aceitando que o foco vai variar dependendo do momento.

Assim, naturalmente, uma ou outra atividade vai exigir mais de você em determinada semana ou mês.

Isso permite que você se dedique na medida das necessidades, e não fique preso na obrigação de “manter o equilíbrio”, que acontece quando você trata tudo com a mesma prioridade sempre (prioridades estáticas).

6 – Abandone o multitarefas

Realizar múltiplas tarefas leva mais tempo do que resolver os problemas separadamente.

Então se você fica mexendo no celular ou lendo e-mails de trabalho, “enquanto estuda”, está desperdiçando seu tempo.

O que é acontece aqui é que seu cérebro precisa ficar trocando de mecanismo a todo momento, enquanto você oscila de uma tarefa para outra.

E trocar de mecanismo leva tempo, então você nem chega a ficar totalmente focado em uma das tarefas até alternar novamente para outra.

Veja a citação abaixo:

Um estudo descobriu que, quando alternamos continuamente entre tarefas, nosso trabalho leva 50% de tempo a mais em comparação com a realização de uma tarefa do início ao fim.” (Chris Bailey. HIPERFOCO . Editora Benvirá. Edição do Kindle.)

Assim, pode ser que trabalhar e estudar ao mesmo tempo te dê a sensação de que está produzindo mais, quando na verdade está retardando a finalização de ambas as tarefas.

7 – Alimentação adequada

Uma rotina puxada de estudos e trabalho torna ainda mais premente a necessidade de se manter uma alimentação adequada, que não faz bem só para o corpo, mas também para a mente.

Se você se deixar levar pela ansiedade e consumir muitos alimentos gordurosos, lanches, pizzas e afins, não só se sentirá menos disposto, como estará sujeito ao aparecimento de complicações de saúde ao longo prazo.

Portanto, a alimentação saudável é um dos principais pilares para que você consiga ter energia para conciliar tantas atividades.

8 – Rotina de exercícios físicos

Fazer exercícios regularmente melhora nosso desempenho, aumenta a motivação, reduz o estresse, reduz a ansiedade e intensifica sentimentos de controle.

Além disso, atividades físicas têm inúmeros benefícios que nos ajudam na retenção e aprendizagem dos conteúdos.

Então manter uma rotina leve de exercícios (pode até ser uma caminhada matinal) vai te ajudar a se sentir mais disposto ao longo do dia, e a combater a fadiga do trabalho e dos estudos.

9 – Sono de qualidade

Você precisa dormir bem, e dormir o suficiente, pois a falta de sono afeta desde a cognição, a memória, até a velocidade do pensamento.

Dessa forma, quem não dorme o suficiente rende menos no trabalho nos estudos, além de estar colocando em jogo a própria saúde física.

Então tente dormir pelo menos sete horas por noite, não consuma alimentos ou bebidas estimulantes no período da noite, tente ir dormir e acordar todos os dias no mesmo horário e evitar usar dispositivos eletrônicos pelo menos uma hora antes de dormir.

E aqui também é importante alertar: não estude ou trabalhe até a exaustão.

Isso só vai te deixar mais sobrecarregado na hora de dormir, pode gerar insônia e te privar das horas de sono de que você precisa.

Então encerre sua jornada de estudos antes de se sentir completamente exausto para ter um sono de qualidade.

10 – Não se cobre tanto para estudar e trabalhar

Ter em mente que você está fazendo o melhor que pode com o tempo que tem disponível te ajuda a levar essa rotina com mais leveza, ao passo que se cobrar que “deveria estar fazendo mais” pode te encher de preocupações e diminuir seu rendimento.

Então não se cobre tanto.

Não almeje pela rotina “perfeita”, até porque essa não é uma realidade – todos têm problemas e passam por períodos mais complicados.

Se gostou das dicas, compartilhe o post!

Leia também: Foco nos estudos – como melhorar a concentração

Concursos Públicos: Como passei nos Concursos que prestei

como passei nos concursos publicos

Concursos públicos: como passei nos concursos que prestei?

Meu nome é Leilane, sou perita criminal do Instituto Geral de Perícias do Rio Grande do Sul e coordenadora do Mapa Concursos.

Quero compartilhar um pouco sobre a minha trajetória nos concursos públicos que começou em 2015 quando eu estava no terceiro ano da faculdade de Biomedicina na Universidade Estadual de Maringá.

Se preferir, conheça minha história assistindo ao vídeo abaixo:

Na época, eu não tinha certeza se queria ser Perita Criminal, mas me interessei pela profissão e resolvi me arriscar, assumindo então esse compromisso de estudar até passar, não importando o quanto demorasse.

Porém, eu já tinha em mente que os concursos públicos não seriam fáceis e, que eu precisaria me dedicar mais do que a média, para poder conseguir atingir algum resultado.
Então, foi o que fiz!

Como foi a rotina para que minha trajetória nos concursos públicos tivesse sucesso

Na época, a minha rotina mudou completamente:

  1.  Eu inseri o hábito dos exercícios físicos, porque sabia que poderia enfrentar um teste físico nos concursos.
  2.  Além disso, mudei minha alimentação e passei a comer melhor.

Isso porque eu ficava o dia todo na faculdade em período integral e a noite ia para o cursinho e, quando chegava em casa, tentava estudar mais um pouco.

Assim foi por seis meses junto com a duração do cursinho que eu fiz.

Depois, eu passei a estudar sozinha em casa sem frequentar aulas.

Fases do estudo e rotina

Eu tinha fases boas e outras em que a rotina puxava e eu abandonava os concursos.

Então só em 2016 que eu fui prestar meu primeiro concurso: o de Perito Criminal do Distrito Federal.

Mas, pra falar a verdade, eu não queria fazer essa prova porque eu achava que não estava preparada o suficiente.

No entanto, depois de fazer a inscrição no concurso eu investi nos estudos com força total e fui fazer a prova.

Resultado: passei nas provas do objetivo e na discursiva empatada em décimo segundo lugar.

Porém acabei reprovando no teste físico e, apesar dessa reprovação, a experiência do concurso me impulsionou ainda mais em direção do meu objetivo.

Porque apesar de saber que algumas coisas ainda tinham que ser melhoradas, eu estava no caminho certo e eu só precisava de mais tempo.

Foco Nos Estudos: Como Melhorar a Concentração

Término da faculdade e desemprego

Em 2016 eu iniciei minha conta no Instagram onde eu compartilhava sobre a minha rotina de estudos o que acabava sendo bem solitário, porque na época eu estudava por conta, sozinha em casa.

Depois da minha reprovação na PCDF, eu iniciei imediatamente a minha preparação para o concurso da Polícia Científica do Paraná, que saiu bem no dia em que eu fui viajar pra fazer o TAF em Brasília.

Em 2017 eu já tinha terminado a faculdade e voltei para a casa dos meus pais no interior de São Paulo, pois estava desempregada e não tinha como me manter sozinha em outra cidade.

Então em 2017, desempregada, eu me dediquei aos concursos, basicamente, em tempo integral.

Porém, com a experiência da prova que eu tinha feito. E, não só vontade, mas também agora, necessidade de passar pra ter uma fonte de renda e poder me sustentar.

Resultado: passei em segundo lugar no concurso do Paraná, mas era só uma vaga oficial então fui na trave!

Mas só de saber que a chance de ser chamada nesses concursos eram muito grandes, eu continuei estudando.

Concurso Perito Criminal

Eu me inscrevi em seguida para o concurso público de Perito Criminal do Rio Grande Sul, onde estou agora.

Mas pra falar a verdade eu também quase desisti de fazer essa prova quando eu vi a concorrência.

Pois eram 2300 candidatos para duas vagas!

Porém, eu já tinha investido tanto em materiais, em livros, que eu resolvi fazer. E para minha surpresa eu fui aprovada em primeiro lugar.

Por fim, eu também prestei o concurso de Perito em Santa Catarina, o último de 2017 e passei em primeiro lugar!

Então, o saldo dos quase três anos de concurseira foi bem positivo: uma reprovação e três aprovações, sendo duas em primeiro lugar.

Como começou meu trabalho de mentoria

Diante dos resultados que eu vinha obtendo, algumas pessoas passaram a me procurar para dar mentoria nos concursos da minha área, de Perito Criminal.

Então apesar de não saber exatamente como orientar essas pessoas, o trabalho seria muito bom porque eu ainda estava desempregada nessa época.

E, conforme a procura pela mentoria aumentou, mais pessoas começaram a trabalhar comigo, fazendo esse trabalho de mentoria.

E hoje, estamos juntos com o mesmo método, dentro da plataforma do Mapa Concursos.

Metodologia do Mapa Concursos

A metodologia que aplicamos hoje dentro dos nossos planos de estudo do Mapa Concursos é a mesma que eu desenvolvi e aprimorei durante meus estudos para concursos.

Hoje eu vejo que meus primeiros meses de estudo foram de muito esforço para praticamente nenhum resultado.

Então, a cada novo edital que surgia, cada vez mais extensos e com matérias novas, eu via a necessidade de substituir alguns hábitos e técnicas que me tomavam muito tempo, por outros mais ágeis e que dessem mais resultados.

Eu vi que o que fazia diferença não era quantas horas eu estudava, mas sim como eu estudava durante essas horas.

E compartilhar essas descobertas e, ajudar mais pessoas a encontrarem o método mais eficiente para elas se tornou uma espécie de missão pessoal para mim.

Então é o que eu tento passar, tanto nas redes sociais, quanto no Mapa Concursos. E quem sabe fazer com que mais pessoas encontrem a paixão que eu encontrei pelos estudos.

E assim possam alcançar resultados, tão bons ou melhores, do que aqueles que eu alcancei!

Essa é minha trajetória nos Concursos Públicos e a história do Mapa Concursos. E você, tem uma história interessante de estudos pra me contar? Deixe seu comentário aqui!

Eu espero poder te ajudar a encontrar o seu caminho até a aprovação!

 

Prova física em concursos (TAF)

TAF: você sabe o que é? TAF, ou teste de aptidão física, é uma etapa muito comum em concursos da área de segurança pública.

O nome já diz do que compreende a etapa: avaliar a aptidão física dos candidatos para o desempenho do cargo.

No entanto, é natural que o nível de exigência do TAF varie em função do quanto o condicionamento físico é importante para um bom desempenho do cargo a que se concorre.

Quais são os testes (TAF)?

Os testes físicos avaliados nessa etapa variam entre cada edital, mas pode haver, por exemplo:

  • corrida,
  • abdominal,
  • flexão,
  • barra,
  • natação, etc.

Portanto, todos os critérios para aprovação em cada um dos testes estão discriminados no edital do certame, e estes costumam ser diferentes entre homens e mulheres.

Exemplo de teste físico de um edital:

E se eu reprovar?

Tenha em mente que essa fase pode ser de duas formas:

Eliminatória

O edital estabelece um mínimo de pontuação em cada modalidade, e quem não conseguir fazer todos os testes dentro dos critérios estabelecidos é eliminado do concurso.

Fazer o mínimo ou máximo em cada uma das provas não faz diferença nessa modalidade.

Eliminatória e classificatória

Quem fizer mais ou mais rápido ganha mais pontos, segundo faixas de pontuação estabelecidas no edital; nessa modalidade, a fase acaba tendo um peso na pontuação final do candidato dentro do concurso, e é preciso fazer mais para ganhar mais pontos.

Por isso, aqui também há um mínimo que precisa ser atingido em cada prova, abaixo do qual o candidato é eliminado do concurso.

Quando começar a treinar para o TAF?

Idealmente, o candidato que deseja concorrer a um cargo policial deve começar a treinar para os exames físicos logo no início da sua preparação para os concursos.

Assim como as outras, o TAF é uma etapa do concurso e exige preparação a longo prazo. Alguns testes são de mais difícil execução, e podem pegar de surpresa candidatos despreparados.

Também é importante que o candidato leve em conta diferentes condições climáticas na realização do TAF. O teste pode ser realizado sob sol, chuva, frio ou calor.

Então, nunca deixe para se preparar de última hora!

Normalmente, o intervalo entre resultado da prova objetiva e avaliação física é curto, e pode não ser suficiente para se alcançar o desempenho exigido nos testes, caso o candidato já não esteja mantendo um rotina de exercícios físicos.

Por isso, estude os editais desejados e encaixe no seu cronograma exercícios específicos para os principais testes. Nunca é cedo demais para começar a se preparar para o TAF!

Além disso, conheça mais sobre outras etapas que podem estar presentes no seu concurso, como a prova psicológica e a prova de títulos.

Saiba mais sobre Como estudar a lei seca para concursos e também Como estudar doutrina para concursos.

Como estudar para discursivas em concursos

No artigo de hoje faremos sobre como estudar discursivas em concursos.

Quer se preparar com qualidade? Então continue lendo!

Antes de mais nada, é importante saber de que forma sua discursiva será cobrada.

Por exemplo: serão questões dissertativas sobre atualidades, sobre o conteúdo programático do edital, qual o gênero e tipo textual?

Além disso, é importante identificar no edital os critérios de correção, mínimo e máximo de linhas, pontuação atribuída a cada critério de correção – tudo isso irá direcionar seu estudo.

Exemplo de critérios de correção de um edital da banca CESPE:

Como estudar estudar para discursivas em concursos

A principal forma de  estudar para discursivas em concursos é TREINAR muito.

Por isso, programe-se para fazer discursivas toda semana ou, pelo menos, a cada quinze dias.

Dessa forma, você já pode deixar alguns temas pré-definidos para não ter que ficar procurando na hora programada para escrever.

Também separe provas antigas condizentes com a forma com que será cobrada na sua prova, ou busque por temas aleatórios na internet.

Você também pode montar um grupo de estudos em que cada um elabora um tema para os outros, formando, assim, uma coleção de temas para todos usarem.

Correção das redações

É ideal ter alguém para corrigir sua discursiva baseado nos critérios do seu edital.

Para isso, há professores e servidores especializados nesse serviço, mas caso não consiga arcar com esse custo, encontre um “companheiro de discursiva” para trocar redações, um corrige o do outro.

Após a correção, analise as observações feitas e tente reescrever a redação após um tempo, seguindo as recomendações feitas.

Atualidades

Caso sua discursiva seja do tema atualidades, será necessário manter um estudo concomitante desses temas, com a leitura de artigos de opinião para que você consiga construir um raciocínio crítico sobre o tema.

Para temas do conteúdo programático do edital, é imprescindível um bom conhecimento da matéria.

Na área de direito, destaca-se o estudo da doutrina e da lei seca.

Veja nesse nosso artigo como estudar atualidades para concursos.

Língua Portuguesa

Para se dar em discursivas, torna-se imprescindível o estudo constante de Língua Portuguesa, tanto da gramática quanto da estrutura dos textos. Há muitos cursos de redação que te dão algumas “fórmulas” que devem ser seguidas na hora de montar cada tipo de texto.

Lembre-se que os examinadores geralmente seguem essas fórmulas para correção das discursivas (ex. Eles esperam uma introdução, argumentos e conclusão – nessa ordem).

Importante notar que, muitas vezes, não será um especialista no tema em questão que irá corrigir sua discursiva, mas sim um professor de Língua Portuguesa que seguirá certos critérios pré-estabelecidos.

Isso ressalta ainda mais a necessidade de se seguir uma estrutura conhecida e não negligenciar o estudo da língua portuguesa. Às vezes a ‘cara’ da redação (ortografia correta, letra bonita, coerência, coesão) acaba tendo mais peso do que o próprio conteúdo.

Não deixe para estudar para discursivas nas vésperas da prova.

O estudo deve ser constante e com muita prática.

Se você gostou do conteúdo, lembre-se de compartilhar!

Até mais.

Pare de procrastinar com as minitarefas!

No artigo de hoje, vamos discutir como parar de procrastinar com as minitarefas.

Quantas tarefas vamos deixando para trás por pura falta de foco e procrastinação?

Você já se sentiu paralisado pela quantidade de minitarefas a fazer?

Ou, ainda, por ter um projeto tão extenso adiante, que você não consegue nem começar?

Bom, a nossa sugestão para lidar com esses momentos é subdividir em tarefa maior em várias outras menores – exatamente o conceito das minitarefas. 

Aprenda mais sobre o fundamento das minitarefas a seguir!

Por que as minitarefas funcionam?

As minitarefas funcionam porque quando o nosso cérebro se depara com uma tarefa grande (não fragmentada) ele fica muito mais inclinado a procrastinar.

Afinal, você praticamente não vê o fim daquilo, e demora a ver alguma evolução.

Naturalmente tendemos a evitar a ação quando não enxergamos um resultado!

Então a melhor solução para isso é, justamente, não assustar o nosso cérebro, nos programando para fazer tarefas pequenas, em vez de grandes projetos que nos assustam.

Por exemplo, em vez de se programar para estudar “Licitações”, divida o tópico por blocos de artigos.

Assim, você pode dividir um tópico em capítulos, capítulos em pequenas partes, aulas em blocos de tempo, etc.

Vantagens das minitarefas

Quando você divide uma tarefa maior em várias outras pequenas, você:

  • Consegue se organizar melhor: é mais fácil alocar pequenas tarefas durante o dia, do que uma única gigante. Permita-se fazer aos poucos!
  • Enxerga evolução mais rapidamente: ao contrário de ter uma tarefa gigante que não tem fim, você consegue ‘riscar’ as tarefas da sua lista de afazeres mais rapidamente, tendo maior visualização da evolução e produtividade;
  • Evita a procrastinação: tendemos mais a procrastinar (deixar para depois) quando nos deparamos com tarefas muito grandes ou difíceis de serem realizadas. Torná-las mais viáveis e apelativas é uma arma e tanto contra a procrastinação.

Sempre que estiver tendo dificuldades em concluir algo, use a tática das minitarefas. Sua produtividade irá aumentar muito!

Se você gostou dessa dica, conheça também o artigo Foco nos estudos: como melhorar a concentração.

Vamos juntos no combate à procrastinação!

Depoimento: como surgiu o método Mapa da Aprovação?

Olá! Como estão? Meu nome é Leilane e hoje vou te contar como surgiu o método Mapa da Aprovação, metodologia aplicada nos planos de estudos do Mapa.

Hoje vou contar um pouquinho da minha história e como foi surgiu esse conjunto de técnicas.

Você vai ver que, apesar das diversas aprovações que vieram, eu precisei testar várias estratégias diferentes até encontrar uma que maximizasse meus esforços – o que se tornou, eventualmente, o método aplicado pelo Mapa.

Como tudo começou

Sou natural do estado de São Paulo e formada em Biomedicina pela Universidade Estadual de Maringá.

Comecei a estudar para concursos de Perito Criminal em 2015, mas só consegui orientar bem meus estudos e estudar com disciplina a partir de 2016.

Em 2016 foi quando prestei meu primeiro concurso para Perito Criminal, que foi o da Polícia Civil do Distrito Federal. Fiquei empatada em 12o lugar com outras pessoas, dentre mais de 1600 candidatos.

Com isso, percebi que embora tivesse minhas dificuldades, talvez estivesse no caminho certo.

Em 2016 também iniciei um projeto no Instagram (antigamente @concurseira_pc), no qual compartilhava minha rotina de estudos e aprendia dicas e técnicas com outros concurseiros da área.

As aprovações

Em 2017, prestei o concurso da Polícia Científica do Paraná, sendo aprovada em 2º lugar para o cargo de Químico Legal.

No mesmo ano conquistei o primeiro lugar no concurso do Instituto Geral de Perícias do Rio Grande do Sul (Perito Criminal), onde atualmente exerço o cargo de Perito Criminal, no setor de Química – Drogas Apreendidas.

Também fiquei em primeiro lugar no concurso do IGP de Santa Catarina (Perito Bioquímico).

Minha posse no IGP-RS.

Início das mentorias

Em 2017, devido ao network que já tinha adquirido nas minhas redes sociais e, principalmente, ao sucesso nos concursos que havia prestado, algumas pessoas pediram que eu as orientasse nos estudos para os concursos da minha área.

Resolvi encarar a proposta, afinal, havia descoberto um “método” que havia otimizado muito meus estudos naquele ano e, além disso, seria bom ter alguma renda depois de meses desempregada.

Também foi o ano em que comecei a montar meus grupos de estudo, em que organizava cronogramas e simulados para as provas que ia prestar.

Como surgiu o método Mapa da Aprovação

Eu não comecei estudando com um método definido, muito menos eficiente.

Considero que meus dois primeiros anos de estudo tenham sido de muito esforço e pouco resultado.

Já perdi muito tempo estudando coisas que sequer iam cair na minha prova!! Ou aprofundando demais nos conteúdos sem necessidade.

No entanto, à medida que prestava provas e estudava mais sobre técnicas de estudo, fui adaptando minha estratégia aos poucos.

O “pulo do gato” aconteceu quando sai o edital do IGP-RS. Era um edital muito extenso (um dos maiores que já vi para minha área), com várias disciplinas específicas que nunca havia tido contato antes.

Foi quando percebi que precisava otimizar meus estudos de alguma forma, senão não teria tempo de concluir nem metade do edital.

O que mudou após o desenvolvimento do método

Assim, algumas mudanças aconteceram:

  • Descobri como poderia usar os cadernos digitados no computador sem perder na retenção de conteúdos.
  • Passei a tratar as revisões com mais seriedade
  • E foquei na resolução de exercícios, em vez de procurar mais conteúdos teóricos.
  • Eliminei quase que totalmente a confecção dos famigerados resumos e tentava construir o material teórico o mais completo que pudesse (minha fonte única).

Era o nascimento do MDA: a tríade da fonte única, revisões e exercícios.

Meu desempenho nos dois concursos subsequentes foi muito superior aos anteriores, mesmo tendo pouco tempo para estudar matérias novas e sem fechar o edital.

Trabalho com mentoria e coaching para concursos

Desde então, venho estudando de forma intensa conteúdos sobre aprendizagem, programação neurolinguística, ferramentas de Coaching, inteligência emocional, organização e produtividade, de forma a aprimorar as orientações que passamos aos nossos alunos.

Também me formei em Personal and Professional Coach pela Sociedade Brasileira de Coach.

E meu objetivo nunca foi divulgar um método milagroso. Aliás, não tinha nenhum objetivo nesse sentido – a mentoria/coaching para concursos surgiu como uma oportunidade inesperada.

Mas foi virando paixão à medida que me envolvia com os alunos e via que meus métodos estavam tendo resultados com outras pessoas também.

Sei que cada um tem suas individualidades, e minha intenção é ajudar o aluno a encontrar o que funciona melhor para ele.

A base é a tríade, mas existem muitas orientações específicas que só podem ser passadas com um estudo aprofundado do perfil, das necessidades, pontos fracos e fortes de cada um.

O método MDA surgiu como uma forma de otimizar o tempo precioso dos concurseiros, substituindo técnicas morosas por outras mais eficientes.

Mapa Concursos

No Mapa, foi possível me reunir com uma equipe com o mesmo objetivo: usar a experiência em concursos para ajudar outras pessoas.

Trabalhamos constantemente para a melhoria dos materiais e orientações passadas, de forma a retribuir a confiança depositada em nós.

Sou muito grata por ter descoberto esse novo interesse no caminho da minha aprovação.

Espero que, assim como eu, mais se pessoas apaixonem pelo estudo, e que vejam-no como um privilégio, como um caminho e solução para os seus problemas, e não como um fardo a ser carregado.

Ah, também te convido a conhecer o MDA e nossos planos de estudo.

Até mais!

Como estudar atualidades para concursos

Atualidades para concursos: uma disciplina de alta incidência em certames, as “atualidades” costumam ser um ponto espinhoso do edital para os concurseiros.

No entanto, eles não sabem como uma variedade tão ampla de temas pode ser explorada, e muito menos como traçar uma estratégia de estudos para essa disciplina!

Vamos tratar aqui sobre como os concursos cobram atualidades e como otimizar seus estudos nessa área.

Afinal, o que é cobrado?

As questões de atualidades para concursos geralmente tratam dos principais temas nacionais e internacionais em debate, aqueles que estão frequentemente saindo na mídia.

Apesar de vez ou outra aparecer uma questão mais “besta”, a regra é que fofocas, vidas de personalidade, curiosidades, futebol e fatos de menor interesse não têm muito valor para prova.

Então fica o primeiro ensinamento: não se estuda para atualidades lendo site de fofoca!

Seguem exemplos reais de questões de atualidades, tiradas do site qconcursos.com:

 

Para identificar melhor o que e como os assuntos são cobrados, faça questões de concursos anteriores!

Além disso, é bem possível que os principais temas se repitam em novas provas.

Como estudar atualidades para concursos?

Para estudar atualidades, o ideal é que seja feita a leitura de notícias de atualidades diariamente– por meio de jornais, televisão, artigos, internet; assim, não será necessário fazer “revisão” de atualidades.

Algumas manchetes irão se repetir (entre dias ou fontes diferentes) – são a essas notícias que você deve dar mais atenção, pois estão mais “em foco”.

Também tome cuidado com as fontes que você irá utilizar.

Procure evitar mídias sensacionalistas, sem fonte segura (ex. posts no Facebook do amigo) ou extremistas.

E dê prioridade a artigos que trazem alguma explicação do contexto da notícia, quais suas implicações e links de notícias relacionadas.

Além disso, o estudo de atualidades não se restringe a saber O QUE.

É preciso saber POR QUE e QUAIS AS CONSEQUÊNCIAS DISSO. Guarde isso!

Essas são perguntas que você pode se fazer enquanto lê alguma notícia.

Em alguns casos, será necessário fazer uma “retrospectiva” maior, buscando acontecimentos históricos ou geopolíticos que te situem melhor no contexto daquela notícia.

Na consultoria dos nossos planos de estudo nós abordamos com mais profundidade o estudo dessa matéria, mas as dicas acima são a base para um bom aproveitamento.

Discursiva de atualidades

Ah, se o seu concurso prevê uma discursiva de tema de atualidades, também precisará encaixar na sua rotina de estudos o treino de redações.

Tente fazer uma redação por semana, e use temas de concursos anteriores ou se baseie no apanhado de notícias que você vem fazendo.

Quando estudar atualidades?

Em hipótese alguma você deve deixar para estudar todos os acontecimentos do último na última semana da prova.

Mais do que qualquer outra matéria, o estudo de atualidades deve ser constante e feito a longo prazo.

Mas não precisa estudar atualidades por horas a fio, até porque costuma ser uma matéria de menor peso no edital (menor quantidade de questões)!

Mantendo um rotina diária de estudo, é possível separar cerca de meia hora do seu dia, ou um dia na semana, para fazer um apanhado geral das notícias.

Esperamos com esse artigo ter ajudado quem precisa estudar atualidades, mas nem sabe como começar.

Lembre-se: uma rotina consistente é mais importante do que deixar pra estudar tudo na última hora.

Aproveite para conhecer um pouco mais sobre: Dicas para combater o sono durante os estudos.

Até mais!